quinta-feira, 30 de junho de 2011

Mônaco x Inglaterra

Príncipe Rainier III (Clive Brunskill/Getty Images); Rainha Elizabeth II (Chris Jackson/Getty Images)
ALBERT II x WILLIAM
Poucas pessoas sabem apontar em um mapa a localização do Principado de Mônaco (sul da França). E, convenhamos, esse não é o tipo de informação que mudaria sua vida. E se ninguém quer saber muito sobre esse diminuto território, o que acontece por lá tem a mesma pouca importância. Mas quando se fala em Grã-Bretanha, a situação muda completamente. Um dos países mais fortes da Europa tem também uma das monarquias mais sólidas, respeitadas e conhecidas do mundo. Afinal, não é todo país que pode se gabar de ter a mesma rainha no poder por quase 60 anos – Rainier, o semi-desconhecido príncipe de Mônaco que morreu em 2005, reinou por 56 anos de pouca relevância.

Os casamentos: Grace Kelly e Rainier, em 1956 (AFP); Diana e Charles, em 1981 (AP)

Em 1955, Grace Kelly foi convidada para participar do Festival de Cannes, onde também estava o príncipe Rainier III, de Mônaco. Os dois se conheceram, se apaixonaram e um ano depois estavam casados. Da união, nasceram três filhos e, até a morte dela, em um acidente de carro em 1982, todos viveram felizes em uma vida discreta, de certa forma. Nesta história, até o próprio príncipe de Gales pode se basear, pois se ele fosse tomar como exemplo a conturbada, infeliz e repleta de escândalo união de seus pais, Charles e Diana, melhor seria que nem tivesse subido ao altar…

Albert no colo de Grace Kelly (AP); William com Diana (AP)

William e Albert são filhos de mulheres lindas e admiradas por todo o mundo até hoje. Diana e Grace Kelly sempre foram – e continuam sendo – praticamente duas unanimidades nos quesitos beleza e elegância. Mas só uma delas passou traços físicos e morais ao filho. Não dá para negar que o príncipe britânico lembra muito a mãe – o que é visto como uma de suas principais qualidades, já que puxar algo do pai não lhe favoreceria nada. Já o mais perto que o monegasco consegue se aproximar da ex-atriz que lhe deu à luz é na figura da noiva sul-africana, cuja semelhança física com a sogra teria facilitado a aceitação por parte dos súditos.

Albert aos 16 anos (AFP); William aos 18 anos (Toby Melville/Newsmakers)

Príncipe William, de 29 anos, dispensa apresentações. Desde que nasceu – é o primogênito da união de Charles e Diana – o mundo acompanha cada passo e sorriso dele, que muito novo já acompanhava os pais em eventos oficiais. Por outro lado, mesmo quem já ouviu falar de Albert, de 53 anos, não sabe bem sua história. Filho do príncipe Rainier III e da ex-estrela de cinema Grace Kelly, tem duas irmãs: Caroline, a mais velha, e Stephanie, a mais nova – uma família que, quando não está protagonizando um escândalo, pouco aparece. Por ser homem, foi quem assumiu o trono após a morte do pai, em 2005, e governa desde então o pequeno Principado de Mônaco, localizado no sul da França. E o único ponto em comum entre os dois príncipes parece começar e terminar no problema de calvície acentuada.

Albert em uma de suas muitas festas (Dave Hogan/Getty Images); William em evento oficial na Austrália (Ryan Pierse/Getty Images)

Quando Albert marcou a data do casamento com Charlene, após cinco anos de namoro, toda a sua família e todo o Principado de Mônaco parecem ter respirado aliviados. Em vez de anunciar um novo casamento real, as manchetes de jornais de todo o mundo preferiram destacar que o príncipe bon vivant e solteiro convicto tinha decidido se aquietar. Na sua extensa lista de ex-conquistas figuram a atriz Brooke Shields e as modelos Naomi Campbell e Claudia Schiffer. Tinha 35 anos quando a primeira filha (com uma ex-camareira americana) nasceu. Quando chegar a essa idade, William, que sempre fez jus à fama de bom moço, já deve estar pelo menos com seu primeiro herdeiro – oficial, claro – entrando na escolinha. Além de Jazmin, de 19 anos, Albert também é pai de Alexandre, de 6 anos, com uma ex-aeromoça de Togo. E apesar de a paternidade ter sido assumida judicialmente, os dois não são considerados herdeiros legítimos do trono.

As duas noivas eram plebeias, mas só uma será rainha
As novas princesas: Charlene Wittstock (Julian Finney/Getty Images); Catherine Middleton (Kirsty Wigglesworth/Getty Images)

(fonte:veja.com)

Maior ponte sobre o mar do mundo

quarta-feira, 29 de junho de 2011

Parabéns, Sebastião!

Foi assim que tudo começou ...

Eu um tanto desanimada
pra a festa arrumá
chegou gente, burro e carroça
a coisa começou a andá

Amarramu bambú grosso
o danado não parava im pé
envergamu bambú fino
só deu certo pela fé

Chegando sábado, vinte e cinco
enfeitamu o arraiá
bandeirinhas , vestido de chita
pra modo nóis brincá


Esticamu a gambiarra
acendemu a fogueira
dançému até quadrilha
êta festa maneira!

Música só caipira
toalha de retalho na mesa
caldo verde e angú a baiana
táva tudo uma beleza

Familiares e amigos
foi pra nóis um presentão
festejamu com alegria
aniversário de Sebastião

Foi assim que ficou ...

Até o próximo ano !!

terça-feira, 28 de junho de 2011

Leia, mas não deixe de escrever

Hoje, procurando o jornal(O Dia) para ler, achei ele dobrado na página 3, o que mais me chamou à atenção foi: "LEIA, MAS NÃO DEIXE DE ESCREVER",o título me saltou aos olhos, de cara me identifiquei com o texto,a notícia não poderia ser melhor, a leitura foi uma delícia. Para mim foi a manchete do dia, bem que poderia estar estampada na primeira página do jornal em" letras garrafais "seria bem sugestivo, já que o meio de comunicação é um jornal. Estou postando o texto aqui no meu blog "anotações", será que posso?O texto é do colunista, carnavalesco e Doutor em Ciência da Literatura ,Milton Cunha, achei o máximo! Clique na foto e leia você também, e depois escreva ... qualquer coisa ... em qualquer lugar, do chão não passa.
(fonte:Jornal O Dia)

terça-feira, 21 de junho de 2011

domingo, 19 de junho de 2011

Desabafo Cidadão Consciente da sua Responsabilidade Social

É lamentável, mas infelizmente é verdade ...

São Leopoldo tem um dos menores índices de analfabetismo e de mendicância do país, talvbez por causa de homens como este! Silvino Geremia é empresário em São Leopoldo, estado do Rio Grande do Sul. Eis o seu desabafo, publicado na revista Exame:

"Acabo de descobrir mais um desses absurdos que só servem para atrasar a vida das pessoas que tocam e fazem este país: investir em educação é contra a lei .
Vocês não acreditam?
Minha empresa, a Geremia, tem 25 anos e fabrica equipamentos para extração de petróleo, um ramo que exige tecnologia de ponta e muita pesquisa.
Disputamos cada pedacinho do mercado com países fortes, como os Estados Unidos e o Canadá.
Só dá para ser competitivo se eu tiver pessoas qualificadas trabalhando comigo.
Com essa preocupação criei, em 1988, um programa que custeia a educação em todos os níveis para qualquer funcionário, seja ele um varredor ou um técnico.
Este ano, um fiscal do INSS visitou a empresa e entendeu que educação é salário indireto.
Exigiu o recolhimento da contribuição social sobre os valores que pagamos aos estabelecimentos de ensino freqüentados por nossos funcionários, acrescidos de juros de mora e multa pelo não recolhimento ao INSS.
Tenho que pagar 26 mil reais à Previdência por promover a educação dos meus funcionários?
Eu acho que não.
Por isso recorri à Justiça.
Não é pelo valor, é porque acho essa tributação um atentado.
Estou revoltado.
Vou continuar não recolhendo um centavo ao INSS, mesmo que eu seja multado 1000 vezes.
O Estado brasileiro está falido.
Mais da metade das crianças que iniciam a 1 ª série não conclui o ciclo básico.
A Constituição diz que educação é direito do cidadão e dever do Estado.
E quem é o Estado?
Somos todos nós.
Se a União não tem recursos e eu tenho, acho que devo pagar a escola dos meus funcionários.
Tudo bem, não estou cobrando nada do Estado.
Mas também não aceito que o Estado me penalize por fazer o que ele não faz. Se a moda pega, empresas que proporcionam cada vez mais benefícios vão recuar.
Não temos mais tempo a perder.
As leis retrógradas, ultrapassadas e em total descompasso com a realidade devem ser revogadas.
A legislação e a mentalidade dos nossos homens públicos devem adequar-se aos novos tempos.
Por favor, deixem quem está fazendo alguma coisa trabalhar em paz.
Vão cobrar de quem desvia dinheiro, de quem sonega impostos, de quem rouba a Previdência, de quem contrata mão-de-obra fria, sem registro algum.
Sou filho de família pobre, de pequenos agricultores, e não tive muito estudo.
Completei o 1º grau aos 22 anos e, com dinheiro ganho no meu primeiro emprego, numa indústria de Bento Gonçalves, na serra gaúcha, paguei uma escola técnica de eletromecânica.
Cheguei a fazer vestibular e entrar na faculdade, mas nunca terminei o curso de Engenharia Mecânica por falta de tempo. Eu precisava fazer minha empresa crescer.
Até hoje me emociono quando vejo alguém se formar.
Quis fazer com meus empregados o que gostaria que tivessem feito comigo.
A cada ano cresce o valor que invisto em educação porque muitos funcionários já estão chegando à Universidade.
O fiscal do INSS acredita que estou sujeito a ações judiciais.
Segundo ele, algum empregado que não receba os valores para educação poderá reclamar uma equiparação salarial com o colega que recebe.
Nunca, desde que existe o programa, um funcionário meu entrou na Justiça. Todos sabem que estudar é uma opção daqueles que têm vontade de crescer...
E quem tem esse sonho pode realizá-lo porque a empresa oferece essa oportunidade.
O empregado pode estudar o que quiser, mesmo que seja Filosofia, que não teria qualquer aproveitamento prático na Geremia.
No mínimo, ele trabalhará mais feliz.
Meu sonho de consumo sempre foi uma Mercedes-Benz.
Adiei sua realização várias vezes porque, como cidadão consciente do meu dever social, quis usar meu dinheiro para fazer alguma coisa pelos meus 280 empregados.
Com os valores que gastei no ano passado na educação deles, eu poderia ter comprado duas Mercedes.
Teria mandado dinheiro para fora do país e não estaria me incomodando com leis absurdas .
Mas não consigo fazer isso.
Sou um teimoso.
No momento em que o modelo de Estado que faz tudo está sendo questionado, cabe uma outra pergunta.
Quem vai fazer no seu lugar?
Até agora, tem sido a iniciativa privada.
Não conheço, felizmente, muitas empresas que tenham recebido o tratamento que a Geremia recebeu da Previdência por fazer o que é dever do Estado.
As que foram punidas preferiram se calar e, simplesmente, abandonar seus programas educacionais.
Com esse alerta temo desestimular os que ainda não pagam os estudos de seus funcionários.
Não é o meu objetivo.
Eu, pelo menos, continuarei ousando ser empresário, a despeito de eventuais crises, e não vou parar de investir no meu patrimônio mais precioso: as pessoas.
Eu sou mesmo teimoso."
Silvino Geremia
Diretor Presidente.
******
"No futebol, o Brasil ficou entre os 8 melhores do mundo e todos estão tristes. Na educação é o 85 e ninguém reclama ..."

Eu apoio esta troca
Troque 01 Parlamentar por 344 Professores

O salário de 344 Professores que ensinam = ao 1 parlamentar que rouba

( recebi por e-mail e repasso pra vocês )

quinta-feira, 16 de junho de 2011

Ubuntu pra você !!



Lique o som e vai se deliciando com a história ...

A jornalista e filósofa Lia Diskin, no Festival Mundial da Paz, em Floripa (2006), nos presenteou com um caso de uma tribo na África chamada Ubuntu.

Ela contou que um antropólogo estava estudando os usos e costumes da tribo e, quando terminou seu trabalho, teve que esperar pelo transporte que o levaria até o aeroporto de volta pra casa. Sobrava muito tempo, mas ele não queria catequizar os membros da tribo; então, propôs uma brincadeira pras crianças, que achou ser inofensiva.

Comprou uma porção de doces e guloseimas na cidade, botou tudo num cesto bem bonito com laço de fita e tudo e colocou debaixo de uma árvore. Aí ele chamou as crianças e combinou que quando ele dissesse "já!", elas deveriam sair correndo até o cesto, e a que chegasse primeiro ganharia todos os doces que estavam lá dentro.

As crianças se posicionaram na linha demarcatória que ele desenhou no chão e esperaram pelo sinal combinado. Quando ele disse "Já!", instantaneamente todas as crianças se deram as mãos e saíram correndo em direção à árvore com o cesto. Chegando lá, começaram a distribuir os doces entre si e a comerem felizes.

O antropólogo foi ao encontro delas e perguntou porque elas tinham ido todas juntas se uma só poderia ficar com tudo que havia no cesto e, assim, ganhar muito mais doces. Elas simplesmente responderam:

"Ubuntu, tio. Como uma de nós poderia ficar feliz se todas as outras estivessem tristes?"

Ele ficou desconcertado! Meses e meses trabalhando nisso, estudando a tribo, e ainda não havia compreendido, de verdade,essência daquele povo. Ou jamais teria proposto uma competição, certo?

Ubuntu significa: "Sou quem sou, porque somos todos nós!"

Atente para o detalhe: porque SOMOS, não pelo que temos...


Olha só, quando inicio o computador daqui de casa (que é plural),logo aparece um nome estranho na tela UBUNTU, curiosa que sou, fui procurar o significado e achei esta comovente história, que me fez refletir, que tudo que parecemos ter não é nosso, que nada levamos desse mundo; casa, carro, família, filhos, pensamentos ...nada.Deixemos o egoísmo de lado, ele contrai e o amor distrai. Sejamos generosos, bondosos e como diz Sebastião: "coisa boa é ter para dar" fico triste quando não tenho. Então doe, compartilhe, empreste, faz bem a você e toda a humanidade.
UBUNTU pra você !!!!

quarta-feira, 15 de junho de 2011

Festa Junina Vitória

A noite de quinta-feira ((9) estava muito fria, mas a minha netinha Vitória estava toda animada para a festa Junina da sua escola, balançava o vestido dando o ar da graça, como ela só. Enquanto a minha animação passava longe ...De repente ouço: - Vóoo, você não vai na minha festinha não? Claro minha netinha ! Quem resiste a um carinho desse, e lá fui eu ... mas queria mesmo é ficar em casa quieta, minha parte já fiz tempos atrás,quando meus 3 filhos eram pequenos, será que agora tenho que repetir tudo de novo? Não dá não! Agora quem tem que pular a fogueira é a outra geração. Mas a festa foi boa, Vitória dançou, brincou gostou muito.

terça-feira, 14 de junho de 2011

Vulcão Puyehue do Chile

A imagem acima foi feita por um satélite da Nasa, agência espacial americana. Ela foi capturada no início da erupção do VULCÃO PUYEHUE, do CHILE. A erupção lançou nuvens de fumaça a 14 mil metros de altitude. Pela imagem acima, dá para ver que a fuligem do vulcão, de cor acinzentada, forma uma pluma de fumaça por cima das nuvens comuns, mais brancas. A altitude da fumaça suja vulcânica explica por que ela viaja tão longe e afeta vôos aqui no Brasil.

segunda-feira, 13 de junho de 2011

Gente que eu gosto "Fernando Pessoa"


" Tenho pensamentos que, se pudesse revelá-los e fazê-los viver, acrescentariam nova luminosidade às estrelas, nova beleza ao mundo e maior amor ao coração dos homens."
(Fernando Pessoa, em "O Eu Profundo")

Biografia Resumida de Fernando Pessoa

13/06/1888

30/11/1935


Fernando Pessoa, um dos expoente máximos do modernismo no século XX, considerava-se a si mesmo um «nacionalista místico».

Nasceu Fernando António Nogueira Pessoa em Lisboa, no dia 13 de Junho de 1888, filho de Maria Madalena Pinheiro Nogueira e de Joaquim de Seabra Pessoa.

A juventude é passada em Lisboa, alegremente, até à morte do pai em 1893 e do irmão Jorge no ano seguinte. Estes acontecimentos, em conjunto com o facto de sua mãe ter conhecido o cônsul de Portugal em Durban, levam-no a viajar para a África do Sul. Aí vive entre 1896 e 1905. À vivência nesse país da Commonwealth pode atribuir-se uma influência decisiva ao nível cultural e intelectual, pondo-o em contacto com os grandes autores de língua inglesa.

O Regresso a Portugal, com 17 anos, é feito com o intuito de frequentar o curso de Letras. Viveu primeiro com uma tia, na rua de S. Bento e depois com a avó paterna, na Rua da Bela Vista à Lapa. Mas com o fracasso do curso (frequentou-o poucos meses), governa-se apenas com o seu grande conhecimento da língua inglesa, trabalhando com diversos escritórios em Lisboa em assuntos de correspondência comercial.

Ficou sobretudo conhecido como grande prosador do modernismo (,ou futurismo) em Portugal. Expressando-se tanto com o seu próprio nome, como através dos seus heterónimos. Entre estes ficaram famosos três: Alberto Caeiro, Álvaro de Campos e Ricardo Reis. Sendo que as suas participações literárias se espalhavam por inúm,eras publicações, das quais se destacam: Athena, Presença, Orpheu, Centauro, Portugal Futurista, Contemporânea, Exílio, A Águia, Gládio. Estas colaborações eram tanto em prosa como em verso.

Teve uma paixão confessa - Ophélia Queirós - com a qual manteve uma relação muitas das vezes distante, se bem que intensa. Mas foi talvez Ophélia a única a conhecer-lhe o lado menos introspectivo e melancólico.

O seu percurso intelectual dificilmente se descreve em poucas linhas. É sobretudo o relato de uma, grande viagem de descoberta, à procura de algo divino mas sempre desconhecido. Essa procura efectuou-a Pessoa com recurso a todas as armas - metafísicas, religiosas, racionalistas - mas sem ter chegado a uma conclusão definitiva, enfim exclamando que todos os caminhos são verdadeiros e que o que é preciso é navegar (no mundo das ideias).

Os últimos anos são vividos em angústia. Os seus projectos intelectuais não se realizam plenamente, nem sequer parcialmente. Talvez os seus objectivos fossem à partida demasiado elevados... Certo é que esta falta de resultados concretos o deita a um desespero cada vez mais profundo. Foi um profeta que esperava a realização da sua profecia, mas que morreu sem ver sequer o principio da sua realização.

Fernando Pessoa morre a 30 de Novembro de 1935, de uma grave crise hepática induzida por anos de consumo de álcool, no hospital de S. Luís. Uma pequena procissão funerária levou o corpo a enterrar no Cemitério dos Prazeres. Em 1988, por ocasião do centenário do seu,nascimento, os seus restos mortais foram transladados para o Mosteiro dos Jerónimos em Belém. Em vida apenas publicou um livro em Português: o poema épico Mensagem, deixando um vasto espólio que ainda hoje não foi completamente analisado e publicado.
(fonte:recanto das letras)

Dom Fernando "Língua Portuguesa"


O Bispo Dom Fernando Arêas Rifan proferiu uma aula sobre a "História da Língua Portuguesa" na noite quarta-feira (08), no Cine Teatro Jayme Coelho, sendo uma realização da Academia Fidelense de Letras. Seus ensinamentos foram enriquecedores, sua simpatia contagiou a todos.
Dom Fenando é um sábio conhecedor do idioma pátrio, além de poliglota.Com seu acordeon entoou várias músicas em diferentes idiomas.A platéia cantou e ficou encantada.Bis!!!

LÍNGUA PORTUGUESA

Olavo Bilac

Última flor do Lácio, inculta e bela,
És, a um tempo, esplendor e sepultura:
Ouro nativo, que na ganga impura
A bruta mina entre os cascalhos vela...

Amote assim, desconhecida e obscura,
Tuba de alto clangor, lira singela,
Que tens o trom e o silvo da procela
E o arrolo da saudade e da ternura!

Amo o teu viço agreste e o teu aroma
De virgens selvas e de oceano largo!
Amo-te, ó rude e doloroso idioma,

Em que da voz materna ouvi: "meu filho!"
E em que Camões chorou, no exílio amargo,
O gênio sem ventura e o amor sem brilho!

A expressão "Última flor do Lácio, inculta e bela" é o primeiro verso desse famoso soneto de Olavo Bilac, poeta brasileiro que viveu no período de 1865 a 1918. Esse verso é usado para designar o nosso idioma: a última flor é a língua portuguesa, considerada a última das filhas do latim. Lácio era o nome da região onde foi fundada a cidade de Roma.

domingo, 12 de junho de 2011

Protesto virtual pela EDUCAÇÃO


MARCADO PARA HOJE 12 DE JUNHO, O PROTESTO NO FACEBOOK A FAVOR DA EDUCAÇÃO.
Segundo o texto do evento, nessa data, os usuários são convidados a usar a imagem do movimento e a postar “#QueroEducação” no perfil de suas redes sociais.
Inspirado pelo vídeo da professora Amanda Gurgel, visto por mais de um milhão de pessoas pelo YouTube, o organizador do evento e diretor de marketing, Rodrigo Gabriel Pires (ou só RG, como ele se apresenta na internet), afirma que o objetivo do movimento é “unir as pessoas que valorizam a educação”Faça a sua parte. Vamos lá!!

" EDUCAÇÃO SOLUÇÃO PARA A SOCIEDADE "

Ter ou não ter namorado

quarta-feira, 8 de junho de 2011

Já leu um poema hoje?


Todas as cartas de amor... 
Fernando Pessoa
(Poesias de Álvaro de Campos)
21/10/1935
Todas as cartas de amor são
Ridículas.
Não seriam cartas de amor se não fossem
Ridículas.

Também escrevi em meu tempo cartas de amor,
Como as outras,
Ridículas.

As cartas de amor, se há amor,
Têm de ser
Ridículas.

Mas, afinal,
Só as criaturas que nunca escreveram
Cartas de amor
É que são
Ridículas.

Quem me dera no tempo em que escrevia
Sem dar por isso
Cartas de amor
Ridículas.

A verdade é que hoje
As minhas memórias
Dessas cartas de amor
É que são
Ridículas.

(Todas as palavras esdrúxulas,
Como os sentimentos esdrúxulos,
São naturalmente
Ridículas.)


 

Uma visão breve sobre a vida e a obra do maior poeta da língua portuguesa: 1888: Nasce Fernando Antônio Nogueira Pessoa, em Lisboa. - 1893: Perde o pai. - 1895: A mãe casa-se com o comandante João Miguel Rosa. Partem para Durban, África do Sul. - 1904: Recebe o Premio Queen Memorial Victoria, pelo ensaio apresentado no exame de admissão à Universidade do Cabo da Boa Esperança. - 1905: Regressa sozinho a Lisboa. - 1912: Estréia na Revista Águia. - 1915: Funda, com alguns amigos, a revista Orpheu. - 1918/21: Publicação dos English Poems. - 1925: Morre a mãe do poeta. - 1934: Publica Mensagem. - 1935: Morre de complicações hepáticas em Lisboa.

terça-feira, 7 de junho de 2011

Cidade de "Grand Rapids"faz clipe para mostrar vida e vira sucesso

I

Os moradores de Grand Rapids, em Michigan (EUA), andavam revoltados desde janeiro deste ano, quando a revista "Newsweek" incluiu a cidade em uma lista de localidades que estão morrendo nos Estados Unidos.

Para provar que Grand Rapids estava cheia de vida, o diretor Rob Bliss convocou 5.000 moradores da cidade para fazer um grande vídeo clipe, gravado em uma só tomada. O rapaz escolheu a música "American Pie", de Don McLean, para ser dublada durante o vídeo e arrecadou US$ 40 mil (assista ao vídeo abaixo).

O clipe conta com a participação de membros de várias comunidades da cidade. O prefeito, um ex-embaixador, o reitor da universidade local, o time de futebol americano do colégio, dançarinos, cantores e anônimos em geral aparecem no vídeo, que conta com a ajuda até dos bombeiros e de um helicóptero.

Mais de 1,6 milhão de pessoas já assistiram ao vídeo na internet. O projeto conquistou até mesmo o rigoroso crítico de cinema Roger Ebert que considerou o vídeo como "o melhor vídeo clipe da história".

Até a Newsweek foi obrigada a se retratar. Em uma nota publicada no Facebook, a revista afirma que "amou o vídeo", que se sente inspirada pelo "amor à cidade que vocês chamam de casa" e ainda pede desculpas por sugerir qualquer coisa negativa em relação a Grand Rapids.

(fonte:noticias.uol.com.br)

domingo, 5 de junho de 2011

Reflexão "Ceia do Senhor"

Ao final da Páscoa, no momento anterior à traição e crucificação de nosso Senhor, Ele instituiu o que ficou conhecido ao longo dos anos como a "Ceia do Senhor".
A Ceia é a segunda ordenança que o Senhor deu à igreja. A primeira ordenança foi o Batismo.
Observamos que a Ceia do Senhor é "até que ele venha". A volta de Cristo é a esperança da igreja e de todos os cristãos.

A Ceia do Senhor é um Memorial cujos os elementos são pão e vinho somente. Cristo não está especialmente presente, nem física, nem espiritualmente. Sua presença é a mesma experimentada costumeiramente pela sua Igreja. É um memorial realizado pelos participantes. Simboliza Cristo e sua morte, não seu corpo literal. Nenhuma graça é transmitida.

Por que cremos que a Ceia do Senhor é um "Memorial" ?

* Porque a expressão “isto é meu corpo” (Mt 26.26; 1Co 11.24) é uma figura de linguagem (metáfora) que na verdade quer dizer “isto simboliza meu corpo”. Esse é o mesmo modo de interpretar expressões como “eu sou o pão da vida” ou “eu sou o pão vivo que desceu dos céus” (Jo 6.48,51), “eu sou a luz do mundo” (Jo 8.12), “eu sou a porta das ovelhas” (Jo 10.7,9) e “eu sou a videira verdadeira” (Jo 15.1).

* Quando Jesus disse “isto é meu corpo”, a Bíblia diz que ele “tomou um pão” (Mt 26.26; Mc 14.22; Lc 22.19). Nessa ocasião o corpo real de Jesus segurava o pão em vez de integrá-lo.

"Enquanto comiam, "tomou Jesus um pão", e abençoando-o, o partiu, e o deu aos discípulos, dizendo: Tomai, comei; isto é o meu corpo. (Mt 26:26)

* Porque, apesar da onipresença divina, o corpo de Cristo foi elevado aos céus (At 1.9,11; 7.55, 56) e haverá uma presença corporal de Jesus na terra apenas na sua segunda vinda (At 1.11; Lc 21.27; 1Ts 1.10) de modo que seu corpo não está presente na terra no momento da ceia.

O que é a Ceia do Senhor na "visão memorial" ?

É uma recordação da morte de Cristo (1Co 11.24,25) – O pão simboliza seu corpo oferecido em sacrifício (1Pe 2.24) e o cálice simboliza seu sangue derramado para o perdão dos pecados (Ef 1.7) na cruz do Calvário.

É uma proclamação da morte de Cristo enquanto se espera sua vinda (1Co 11.26) – Volta os olhos dos participantes para o retorno futuro de Cristo (Mt 26.29).

É uma comunhão entre os crentes (1Co 10.17) – É uma refeição que concentra a fé comum dos participantes em Cristo.

(fonte: achados na net)

*Neste domingo me sinto mais feliz e completa por ter participado mais uma vez da celebração da Ceia do Senhor na PIBSF, onde a igreja se reuniu para celebrar a vitória conquistada na cruz do calvário pelo nosso Salvador e Senhor Jesus Cristo. Até o primeiro domingo do próximo mês ! Amém.

Se isto não for amor



Se Isto Não For Amor

Deixou o esplendor de Sua glória
Sabendo o destino aqui
Estava só e ferido no gólgota
Para dar Sua vida por mim

Se isto não for amor
O oceano secou
Não há estrelas no céu
As andorinhas não voam mais
Se isto não for amor
O céu não é real
Tudo perde o valor
Se isto não for amor

Mesmo na morte lembrou-Se
Do ladrão que ao Seu lado estava
Com amor e ternura falou-lhe
Ao paraíso comigo irás

sábado, 4 de junho de 2011

Gente que eu gosto "Adélia Prado"


Com licença poética
Adélia Prado


Quando nasci um anjo esbelto,
desses que tocam trombeta, anunciou:
vai carregar bandeira.
Cargo muito pesado pra mulher,
esta espécie ainda envergonhada.
Aceito os subterfúgios que me cabem,
sem precisar mentir.
Não sou tão feia que não possa casar,
acho o Rio de Janeiro uma beleza e
ora sim, ora não, creio em parto sem dor.
Mas o que sinto escrevo. Cumpro a sina.
Inauguro linhagens, fundo reinos
- dor não é amargura.
Minha tristeza não tem pedigree,
já a minha vontade da alegria,
sua raiz vai ao meu mil avô.
Vai ser coxo na vida é maldição pra homem.
Mulher é desdobrável. Eu sou.
Adélia Luzia Prado Freitas (Divinópolis, 13 de dezembro de 1935) é uma escritora brasileira. Seus textos retratam o cotidiano com perplexidade e encanto, norteados pela sua fé cristã e permeados pelo aspecto lúdico, uma das características de seu estilo único. Professora por formação, exerceu o magistério durante 24 anos, até que sua carreira de escritora tornou-se sua atividade central.

Poema de Sete Faces
Carlos Drummond de Andrade

Quando nasci, um anjo torto
desses que vivem na sombra
disse: Vai, Carlos! ser gauche na vida.

As casas espiam os homens
que correm atrás de mulheres.
A tarde talvez fosse azul,
não houvesse tantos desejos.

O bonde passa cheio de pernas:
pernas brancas pretas amarelas.
Para que tanta perna, meu Deus, pergunta meu coração.
Porém meus olhos
não perguntam nada.

O homem atrás do bigode
é sério, simples e forte.
Quase não conversa.
Tem poucos , raros amigos
o homem atrás dos óculos e do bigode.

Meu Deus, por que me abandonaste
se sabias que eu não era Deus
se sabias que eu era fraco.

Mundo mundo vasto mundo
se eu me chamasse Raimundo,
seria uma rima, não seria uma solução.
Mundo mundo vasto mundo,
mais vasto é meu coração.
Eu não devia te dizer
mas essa lua
mas esse conhaque
botam a gente comovido como o diabo".


(Carlos Drummond de Andrade nasceu em Itabira do Mato Dentro - MG, em 31 de outubro de 1902. Morreu no Rio de Janeiro, no dia 17 de agosto de 1987, poucos dias após a morte de sua filha única, a cronista Maria Julieta Drummond de Andrade).


Até o Fim
Chico Buarque de Hollanda

“Quando nasci veio um anjo safado
O chato do querubim
E decretou que eu estava predestinado
A ser errado assim
Já de saída a minha estrada entortou
Mas vou até o fim
“inda” garoto deixei de ir à escola
Cassaram meu boletim
Não sou ladrão , eu não sou bom de bola
Nem posso ouvir clarim
Um bom futuro é o que jamais me esperou
Mas vou até o fim
Eu bem que tenho ensaiado um progresso
Virei cantor de festim
Mamãe contou que eu faço um bruto sucesso
Em quixeramobim
Não sei como o maracatu começou
Mas vou até o fim
Por conta de umas questões paralelas
Quebraram meu bandolim
Não querem mais ouvir as minhas mazelas
E a minha voz chinfrim
Criei barriga, a minha mula empacou
Mas vou até o fim
Não tem cigarro acabou minha renda
Deu praga no meu capim
Minha mulher fugiu com o dono da venda
O que será de mim ?
Eu já nem lembro “pronde” mesmo que eu vou
Mas vou até o fim
Como já disse era um anjo safado
O chato dum querubim
Que decretou que eu estava predestinado
A ser todo ruim
Já de saída a minha estrada entortou
Mas vou até o fim”

(Francisco Buarque de Hollanda nasceu no Rio de Janeiro, em 19 de junho de 1944).

Gente que eu gosto "Adélia Prado"

P

Gente que eu gosto "Adélia Prado"

Gente que eu gosto "Adélia Prado"

Após uma década de silêncio, a escritora mineira Adélia Prado lança o livro de poesias " A Duração do Dia". Os temas que sempre lhe estimularam, como o amor, o divino, o sofrimento e a passagem do tempo estão de volta em muitos momentos. " A Duração do Dia" já iniciou faturando premiações, como o Prêmio Literário da Fundação da Biblioteca Nacional e a estatueta da Associação Paulista dos Críticos de Artes (APCA), ambos na categoria de poesia.Para a autora Adélia Prado de 75 anos, nascida em Divinópolis, Minas Gerais, a poesia e a fé são manifestações de revelação da realidade através de um processo divino, a mesma fonte da graça.


TÃO BOM AQUI
Me escondo no porão
para melhor aproveitar o dia
e seu plantel de cigarras.
Entrei aqui pra rezar,
agradecer a Deus este conforto gigante.
Meu corpo velho descansa regalado,
tenho sono e posso dormir,
tendo comido e bebido sem pagar.
O dia lá fora é quente,
a água na bilha é fresca,
acredito que sugestiono elétrons.
Eu só quero saber do microcosmo,
o de tanta realidade que nem há.
Na partícula visível de poeira
em onda invisível dança a luz.
Ao cheiro de café minhas narinas vibram,
alguém vai me chamar.
Responderei amorosa,
refeita de sono bom.
Fora que alguém me ama,
eu nada sei de mim.

Em A Duração do Dia, por exemplo, há um poema, O Ditador na Prisão, em que Adélia trata do ex-presidente iraquiano Saddam Hussein. "A poesia não é nem nasce necessariamente do bem-estar", afirma. "Ela vem apesar e por causa de tudo. Por isso nos consola tanto. A tristeza num poema é alegria, ainda que lacrimosa."

Apesar da variedade de temas (há até uma poesia intitulada Harry Potter, em que ela relembra brincadeiras com galinhas da época de criança), Adélia acredita revelar-se por meio dos versos. "Penso que um autor se escreve", observa. "Seu texto é ele mesmo, nem ficção científica escapa. Portanto, se faz uma coisa só, vista a luzes e profundidades diferentes. Do meu limite não há como sair."

Graças a Carlos Drummond de Andrade (1902-1987), Adélia publicou "Bagagem" (1976), seu primeiro livro. O escritor Affonso Romano de Sant'Anna enviou os originais da obra para a apreciação do poeta. Drummond considerou os poemas fenomenais e indicou sua publicação. À época, Adélia tinha 40 anos.
Dois anos depois, ela ganhou o prêmio Jabuti por "O Coração Disparado". Em 2006, estreou na literatura infantil com "Quando Eu Era Pequena". Adélia é autora de "Filandras", "Terras de Santa Cruz", "Quero Minha Mãe", "O Pelicano", "Oráculos de Maio", entre outros volumes.
(fonte:net)

Gente que eu gosto "Adélia Prado"

sexta-feira, 3 de junho de 2011

Declaração de Amor

Perguntaram a John Lennon:
Por que você não pode ficar sozinho, sem a Yoko?

Eu posso, mas não quero. Não existe razão no mundo porque eu devesse ficar sem ela. Não existe nada mais importante do que o nosso relacionamento, nada. E nós curtimos estar juntos o tempo todo. Nós dois poderíamos sobreviver separados, mas pra quê? Eu não vou sacrificar o amor, o verdadeiro amor, por nenhuma piranha, nenhum amigo e nenhum negócio, porque no fim você acaba ficando sozinho à noite. Nenhum de nós quer isto, e não adianta encher a cama de transa, isso não funciona. Eu não quero ser um libertino. É como eu digo na música, eu já passei por tudo isso, e nada funciona melhor do que ter alguém que você ame te abraçando.
(fonte:net)