quinta-feira, 29 de agosto de 2013

Gente que eu gosto "Ariano Suassuna"

Aqui morava um rei

"Aqui morava um rei quando eu menino.
Vestia ouro e castanho no gibão, 
Pedra da Sorte sobre meu Destino, 
Pulsava junto ao meu, seu coração.


Para mim, o seu cantar era Divino, 
Quando ao som da viola e do bordão, 
Cantava com voz rouca, o Desatino, 
O Sangue, o riso e as mortes do Sertão.


Mas mataram meu pai. Desde esse dia
Eu me vi, como cego sem meu guia
Que se foi para o Sol, transfigurado.


Sua efígie me queima. Eu sou a presa.
Ele, a brasa que impele ao Fogo acesa
Espada de Ouro em pasto ensanguentado."


ARIANO VILLAR SUASSUNA nasceu no dia 16/06/1927  no Palácio da Redenção, na Paraíba(PB). Oitavo filho dos nove irmãos, seu pai, João Urbano Pessoa de Vasconcellos Suassuna, era governador da Paraíba. Sua mãe chamava-se Rita de Cássia Dantas Villar. Três anos depois, então deputado federal, o pai do autor é assassinado no centro da cidade do Rio de Janeiro (RJ). A fim de evitar inimigos, a família muda-se constantemente. Em 1933, mudam-se para Taperoá, no sertão dos Cariris Velhos da Paraíba.

De 1934 a 1937, inicia seus estudos e entra para o internato do Colégio Americano Batista, no Recife. Após concluir o curso Clássico, começa o curso de Direito.

Em 1947, escreveu sua primeira peça teatral, "Uma mulher vestida de sol", e ganhou o prêmio Nicolau Carlos Magno. Continua escrevendo para teatro, sempre elogiado, até que, em 1955, escreve um de seus inúmeros sucessos, "Auto da Compadecida", texto baseado em três narrativas do Romanceiro nordestino.

Casa-se, em 1957, com Zélia de Andrade Lima, que lhe deu 6 filhos. Tem 13 netos.

Em 1958, começa a escrever "Romance d'A Pedra do Reino e o príncipe do sangue do vai-e-volta". Estuda Filosofia na Universidade Católica de Pernambuco. Já famoso, funda, ao lado de Hermilo Borba Filho, o Teatro Popular do Nordeste.

Em 1964, publica "O santo e a porca". Membro fundador do Conselho Nacional de Cultura; Diretor do Departamento de Extensão Cultural da Universidade Federal de Pernambuco, começa a articular o Movimento Armorial, que defenderia a criação de uma arte erudita nordestina a partir de suas raízes populares.

Em 1970, conclui o "Romance d'A Pedra do Reino". Com um concerto "Três séculos de música nordestina — do Barroco ao Armorial" — e uma exposição de gravuras, pinturas e esculturas, lança no Recife, em 18 de outubro, o Movimento Armorial.

"A Pedra do Reino" sai em agosto de 1971. No ano seguinte, ganha o Prêmio Nacional de Ficção do Instituto Nacional do Livro. Eleito para ocupar a cadeira 32 da Academia Brasileira de Letras, toma posse no dia 09/08/1990.

Em São José do Belmonte (PE), no ano de 1993, realiza-se em maio a primeira festa da Pedra do Reino, uma cavalgada na qual os participantes, posteriormente, passariam a usar trajes como os descritos no romance.

Em 1995 é nomeado, pelo governador Miguel Arraes, secretário estadual da Cultura.

Estréia, em 1996, no Teatro do Parque, no Recife, a série "Grande cantoria", aula espetáculo que reúne violeiros e repentistas. O biografado, ao violão, cantou um romance de inspiração sebastianista que aprendera na infância.

A peça "A história de amor de Romeu e Julieta" é publicada no suplemento "Mais!" do jornal "Folha de São Paulo", em 1997. No ano seguinte, participa do lançamento do CD "A poesia viva de Ariano Suassuna".

"O Auto da Compadecida" é exibida em quatro capítulos pela Rede Globo de Televisão, em 1999.

Em 2000, escritor recebe o título de doutor honoris causa da Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Em comemoração aos 500 anos do Descobrimento do Brasil, apresenta no canal GNT o programa "Folia Geral", sobre as origens do carnaval. Toma posse, no dia 09 de outubro, na cadeira 35 da Academia Paraibana de Letras.

Ao completar 80 anos de idade, em 2007, o autor foi homenageado em todo o Brasil pela grandeza de sua trabalho.


OBRAS:

Teatro:

Uma mulher vestida de sol (1947), Recife, Imprensa Universitária, 1964. Especial da Rede Globo de Televisão, 1994.

Cantam as harpas de Sião (ou O desertor de Princesa) (1948). Peça em um ato. Inédita.

Os homens de barro (1949). Peça em 3 atos. Inédita.

Auto de João da Cruz (1950). Prêmio Martins Pena. Peça inspirada em três folhetins da literatura de cordel. Inédita.

Torturas de um coração (1951). Peça para mamulengos.

O arco desolado (1952).

O castigo da soberba (1953). Entremês popular em um ato.

Auto da Compadecida (1955). Medalha de ouro da Associação Brasileira de Críticos Teatrais. Rio de Janeiro, Livraria Agir, 1957; 34ª. ed., Agir, 1999. Estréia no cinema, 1969. Mini-série da Rede Globo de Televisão, 1994, e no cinema, 2000.

O desertor de Princesa (reescritura de Cantam as harpas de Sião), 1958. Inédita.

O casamento suspeitoso (1957). Encenada em São Paulo pela Cia. Sérgio Cardoso. Recife, Igarassú, 1961. Rio de Janeiro, José Olympio, 1974, junto com O santo e a porca, 8ª edição, 1989.

O santo e a porca, imitação nordestina de Plauto (1957). Recife, Imprensa Universitária, 1964. Medalha de ouro da Associação Paulista de Críticos Teatrais. Rio de Janeiro, José Olympio, 1974, junto com O casamento suspeitoso, 8ª edição, 1989.

O homem da vaca e o poder da fortuna (1958). Entremês popular.

A pena e a lei (1959). Peça em três atos.Premiada no Festival Latino-Americano de Teatro em 1969. Rio de Janeiro, Agir, 1971, 4ª ed., 1998.

Farsa da boa preguiça (1960). Estampas de Zélia Suassuna. Peça em três atos. Rio de Janeiro, José Olympio, 1974, 2ª ed., 1979. Episódio de Terça Nobre, Rede Globo de Televisão, 1995.

A caseira e a Catarina (1962). Peça em um ato. Inédita.

As conchambranças de Quaderna (1987). Estréia no Teatro Waldemar de Oliveira, Recife, 1988.

A história de amor de Romeu e Julieta. Suplemento “Mais”, da Folha de São Paulo”, 1997.
Ficção:

A história de amor de Fernando e Isaura. Romance inédito, 1956.

Romance d`A pedra do reino e o príncipe do sangue vai-e-volta. Romance armorial-popular. Nota de Rachel de Queiroz. Posfácio de Maximiano Campos. Rio de Janeiro, Borsoi, 1971. 2ª ed., Rio de Janeiro, José Olympio, 1972. Adaptação teatral por Romero e Andrade Lima, 1997.

As infâncias da Quaderna. Folhetim semanal do Diário de Pernambuco, 1976-77.

História d`O rei degolado nas caatingas do sertão / Ao sol da Onça Caetana. Romance armorial e novela romançal brasileira. Com estudo de Idelette Muzart F. dos Santos. Rio de Janeiro, José Olympio, 1977.
Fernando e Isaura (1956). Recife, Bagaço, 1994.
Outras obras:

O pasto incendiado (1945-70). Livro inédito de poemas.

Ode. Recife, O Gráfico Amador, 1955.

Coletânea de poesia popular nordestina. Romances do ciclo heróico. Recife, Deca, 1964.

O Movimento Armorial. Recife, UFPe, 1974.

Iniciação à estética. Recife, UFPe, 1975.

A Onça Castanha e a Ilha Brasil: uma reflexão sobre a cultura brasileira (tese de livre-docência em História da Cultura Brasileira). Centro de Filosofia e Ciências Humanas, UFPe, 1976.

Sonetos com mote alheio. Recife, edição manuscrita e iluminogravada pelo autor, 1980.

Sonetos de Albano Cervonegro. Recife, edição manuscrita e iluminogravada pelo autor, 1985.
Seleta em prosa e verso. Estudos, comentários e notas do Prof. Silviano Santiago. Rio de Janeiro, José Olympio / INL. 1974 (coleção Brasil Moço).

Poemas. Seleção, organização e notas de Carlos Newton Júnior. Recife, Universidade Federal de Pernambuco / Editora Universitária, 1999.

CD – Poesia viva de Ariano Suassuna. Recife, Ancestral, 1998.


OBRA TRADUZIDA:

Para o alemão / Para o espanhol / Para o francês / Para o holandês / Para o inglês / para o italiano / Para o polonês
(fonte: releituras.com) 


ARIANO SUASSUNA É UMA DOS MAIORES DEFENSORES DA ARTE GENUINAMENTE BRASILEIRA

NÃO TROCO MEU "OXENTE" PELO "OK" DE NINGUÉM.

QUE EU NÃO PERCA A VONTADE DE TER GRANDES AMIGOS, MESMO SABENDO QUE, COM AS VOLTAS DO MUNDO, ELES ACABAM INDO EMBORA DE NOSSAS VIDAS.

O OTIMISTA É UM TOLO, O PESSIMISTA, UM CHATO. BOM MESMO É SER UM REALISTA ESPERANÇOSO.

AO REDOR DO BURACO TUDO É BEIRA.

DIZEM QUE TUDO PASSA E TEMPO DURO TUDO ESFARELA.

A RAZÃO MANDA QUE A GENTE SE ACOMODE EM CASA, E O SONHO É QUE LEVA A GENTE PARA FRENTE.

... QUE É MUITO DIFÍCIL VOCÊ VENCER A INJUSTIÇA SECULAR, QUE DILACERA O BRASIL EM DOIS PAÍSES DISTINTOS: O PAÍS DOS PRIVILEGIADOS E O PAÍS DOS DESPOSSUÍDOS.

TENHO DUAS ARMAS PARA LUTAR CONTRA O DESESPERO, A TRISTEZA E ATÉ A MORTE: O RISO A CAVALO E O GALOPE DO SONHO.É COM ISSO QUE ENFRENTO ESSA DURA E FASCINANTE TAREFA DE VIVER.

A TAREFA DE VIVER É DURA, MAS FASCINANTE.

Nasceu Marina !!


Marina de outrora
desabrochou agora
seu meigo rostinho
guardarei na memória.



Os filhos são herança do Senhor, uma recompensa que ele dá. (Sl 127:3)

terça-feira, 27 de agosto de 2013

Parabéns, João Paulo !!


Por via não sei das contas, meu filhote não quis uns comes e bebes para festejar seu aniversário deste ano; mas não deixamos passar em brancas nuvens não. Saímos em família pra comer uma pizza - é o que têm de melhor numa cidadezinha do interior como a nossa rsrsr - isso dia 27. No sábado (31) sabendo eu, que ele estava com uns amigos e uma bela namorada no sítio tirando um som - ôooôooôooôoo ... rsrsr, com a  antiga "banda de rock", corri pra lá, isso às 18h, com um bolinho que estava só me esperando na vitrine da padaria para cantar o tradicional "Parabéns pra Você". E assim foi feito. A vida é assim ... é pra ser festejada, não importa como. Filho, quero te desejar bênçãos infinitas pra sua vida, que você continue sendo este filho maravilhoso que sempre foi, este grande homem que tanto me orgulho e só me traz alegrias. Te Amamos !!!

"Filho meu, se o teu coração for sábio, alegrar-se á o meu coração." (Prov.23:15)

domingo, 25 de agosto de 2013

Parabéns, Cibele!!

Querida irmã,
parece mentira, mas esta foi a primeira vez que consegui festejar seu aniversário junto de todos em sua casa, embora sabendo que você já passou tantos aqui comigo. Mas tudo têm o seu tempo, e eu soube esperar, para compartilhar toda esta alegria e rever os parentes que tanto amo. A festa foi boa demais, coisas gostosas, de primeira, e as amigas não faltaram, só algumas rsrsrs. Pra você e Martinha eu tenho que desejar muita paz, saúde, vida e muito mais... agradecer sempre por tudo que vocês fizeram e faz por mim, não só de agora mas de sempre. FELICIDADES!!



quarta-feira, 21 de agosto de 2013

Sintetizando


Na bolsa
um desejo
em quatro tiras de papel
.. .uma poesia
... uma poesia
... uma poesia
... uma poesia
compartilhada no céu.


(berenice)

segunda-feira, 19 de agosto de 2013

Sintetizando ...


Há tempo de pedir, 
e tempo de receber
_ pai, me dá um dinheiro?
meu pai dizia:
_ tá pedido.

sábado, 17 de agosto de 2013

Poetisando ..."O último trem"

 
O Último Trem

Sonhos, sonhos, sempre sonhos ...
O que vocês me trouxeram nesta manhã?
Lembranças, saudades, abraços 
Algo que só o espírito pode compartilhar.

 Um tanto descompensada, 
acordo, e corro quieta para debaixo do sol.
A luz que me aquece, que brilha todos os dias, 
insiste em me dizer que a vida continua,
Não tem jeito!

Debaixo dessa imensa luminosidade 
existe ao mesmo tempo,
nascimento, riso, choro e morte 
É a ordem natural das coisas!

 Olhos lacrimejam, pernas bambeiam.
Flashes rápidos se tornam reais no pensamento
Revelando que aqui na terra sempre existirão
o joio e o trigo, o doce e o amargo,  o bem e o mal ,
  Não tem como ser diferente!

O lado da perdição - é maldito
se vende por qualquer moeda de troca
Foi assim com Judas, é assim com muitos
O lado da salvação - é bendito
 embora sabendo que isto lhe custe caro,
 que têm um preço a pagar 
Não importa!
Cristo também pagou um alto preço,
 e foi preço de cruz e pagou por todos nós.

Extasiada, 
vejo que estamos numa grande estação de trem,
 nos movimentando de lá pra cá e de cá pra lá
  transeuntes terrestres. 
Uns fincando dormentes de perversidade
 e outros espalhando trilhos de bondade.

Até que alguém chega e pergunta:
- O trem passa por aqui?
 Respondo:
- Aqui, o trem passa a qualquer hora.
- Ah! sim. 
- Também quando ele passa a gente nem sente.

(bereniceseixas)

quinta-feira, 15 de agosto de 2013

quarta-feira, 14 de agosto de 2013

Já leu um poema hoje?

ganhei o livro que tanto queria


BEM NO FUNDO

no fundo, no fundo,
bem lá no fundo,
a gente gostaria
de ver nossos problemas
resolvidos por decreto

a partir desta data,
aquela mágoa sem remédio
é considerada nula
e sobre ela _ silêncio perpétuo

extinto por lei todo o remorso,
maldito seja quem olhar para trás,
lá pra trás não há nada,
e nada mais

mas problemas não se resolvem,
problemas têm família grande,
e aos domingos saem todos passear
o problema, sua senhora
e outros pequenos probleminhas
(Leminski)

terça-feira, 13 de agosto de 2013

Vovó ama


Filhos, obedeçam a seus pais em tudo, pois isso agrada ao Senhor.
(Colossenses 3:20)

domingo, 11 de agosto de 2013

Dia dos Pais

Comemorar o Dia dos Pais parece algo muito simples, mas é de um valor imensurável. Quem não tem mais o seu, reconhece melhor ainda o valor deste dia. Da minha parte posso dizer que a vivência com meu pai foi muito curta - 25 anos, pouco para mim, que só fui entender a vida já lá na frente. Mas do meu Pai guardo a saudade e a sabedoria de viver. E hoje, rendo graças ao Senhor pelo Pai dos meus filhos; presente maravilhoso de Deus. Sei que eles três foram agraciados com a dádiva divina de ter Sebastião como Pai. Obrigada Jesus! Palavras para traduzí-lo não cabem aqui, pois seu amor pelos filhos transborda em vida. E a  todos os Pais eu desejo só um coisa AME.
Um Pai com seus erros e acertos
mas alguém para se orgulhar
Um Pai do seu jeito, bem peculiar
mas alguém para se amar.
 
 
 
 
 
"Pai, 
nem você nem ninguém tá sozinho,
você faz parte desse caminho
Que hoje eu sigo em paz."

Protagonistas:
SEBASTIÃO + Mariana + Sebastião Neto + João Paulo
TITA  + Vitória
RENATO  + Márcia Aurélea + Marcos Auréleo + Ana Beatriz + Fátima + Gabriela
" O que a memória ama fica eterno".
aos pais ... saudades

domingo, 4 de agosto de 2013

Ceia do Senhor


QUANDO ACONTECE A CEIA DO SENHOR

Não há uma periodicidade definida pela Bíblia quanto à celebração da Ceia ; Jesus apenas disse: " ... fazei isto, todas as vezes que beberdes, em memória de mim."(1 Co 11:25):"Esta expressão "todas as vezes que" nos dá liberdade de fazermos quando quisermos, mas sempre em memória do Senhor Jesus Cristo. (fonte:net)

Em nossa igreja, celebramos a Ceia do Senhor mensalmente no templo. 
Até o primeiro domingo do próximo mês!

"Eu, porém, olharei para o Senhor e esperarei no Deus da minha salvação; o meu Deus me ouvirá." (Miquéias 7:7)